terça-feira, 13 de janeiro de 2009

ESSE TAL DE ROQUENROU


Para enterdermos melhor esse fenômeno que mudou a cara da música pop universal nas últimas 5 décadas, é preciso que esqueçamos um pouco daquela coisa romantizada de novela das 6h e do saudoso Bill Halley cantando Rock Around The Clock, com um monte de gente bonita dançando, para por na roda uma visão mais louca ainda, que o tempo fez questão de pasteurizar e, por que não, "moralizar" também.

Essa é uma história que começa a ser contada na década de 30 quando a Grande Depressão se abateu sobre os EUA, levando o país à falência e virando do avesso a vida de todo mundo. Em outras palavras, foi algo muito parecido com a presente crise econômical mundial, mas cujo estrago foi muito maior...

Em meio a essa onda de pessimismo e pobreza, como em qualquer lugar pobre do mundo, e graças ap instinto humano de preservar a espécie, houve um verdadeiro estouro nas taxas de natalidade! Das crianças nascidas a partir de então, uma metade se constituia de brancos pobres e caipiras, e outra de negros que, desde o berço, se viam frente a um país nítidamente racista. O tempo passa e essa criançada toda cresce...

Naquela época, os EUA precisavam crescer e se firmar como potência econômica e "polícia do mundo", também. Assim, muitos desses garotos acabavam indo para o quartel, fosse para lutarem na Coréia ou para trabalharem nas bases militares de uma Alemanha em reconstrução. Havia, sim, um contexto deveras propício para o nascimento de uma nova forma de expressão artística, tendo na música o seu principal meio.

Chuck B. Good...

Por volta de 1954, garotos brancos que cresceram ouvindo o blues dos negros e garotos negros que cresceram ouvindo o country dos brancos passam a comungar dos mesmos espaços e de idéias, pois tinham muito mais coisas em comum do que se supunha a vã filosofia reacionária que detinha o poder e caçava comunistas em nome de Deus.

Little Richard, Chuck Berry, Carl Perkins e Johnny Cash são apenas alguns dos nomes dos pioneiros desse tipo de comportamento que, a partir dos estados sulistas, começa a tomar de assalto a vida de jovens que antes se viam a leis morais e punitivas.

The Million Dollar Quartet:
Jerry Lee Lewis, Carl Perkins,
Elvis Presley & Johnny Cash


Nascia assim o rock'n'roll, um estilo rebelde de música e de expressão que encontrou sua identificação por entre uma juventude revoltada com o stablishment e que, sob todo tipo de acusação, teve nas rádios o seu principal meio propagador graças a muitos DJs transgressores, sobre tudo o DJ Alan Freed.

Alan Freed, um DJ de verdade!


Não existia cedê para comportar 20 músicas ou mais. A cultura do long-play recém aparecia. Logo, boa parte da produção saía mesmo em singles ou EPs - com 2, 3 ou 4 músicas - o que tornava bem mais fácil a absorção das idéias ali contidas.

Hasil Adkins,
o primeiro homem-banda do rock



Em pouco tempo, o estilo contagiante ganhava o mundo. Primeiro o Reino Unido, por intermédio da cultura Teddy Boy e de artístas como Vince Taylor, Johnny Kidd, Billy Fury, Cliff Richard e muitos outros. Em seguida foi a vez da Alemanha que, em meio à sua reconstrução, rendeu-se à estética "rebelde sem causa", propagada por caras como Ted Herold, Peter Kraus, Gus Backus, Conny Froboes, Freddy Quin e tantos outros que ajudaram expandir suas fronteiras por todoas as partes possíveis da Europa Ocidental.

Gene Vincent & His Blue Caps



ROCK TUPINIQUIM

O rock'n'roll avança e a gente entra na dança ...

No Brasil, o estilo chegou com tudo em 1956 pelas mãos de Betinho, um músico de Carmen Miranda que gravou o clássico "Enrolando O Rock" (que dá nome a esta coluna) e pavimentou a estrada para pioneiros como Cauby Peixoto, Tony & Celly Campello, Ronnie Cord, Demetrius, George Friedman e tantos mais... mas isso já é assunto para uma próxima oportunidade.


"DISCOTECA BÁSICA"


Por ora, fica a dica de um box chamado ROCKIN' BONES, que apesar de ser impossível de se encontrar nas "melhores casa do ramo", pode ser importado por meio de sites especializados.
Trata-se de uma caixa de uma caixa de 4 cedês com os nomes mais loucos dos primeiros tempos do rock: Billy Lee Rilley, Dwight Pullen, Link Wray, Hasil Adkins, Charlie Feathers, Johnny Burnette, Ronnie Dawson, Carl Perkins, o jovem Elvis, Jerry Lee Lewis, Gene Vincent, Buddy Holly e por aí vai...

Link Wray, o pai da guitara distorcida


Por hoje é isso, meus caros. Semana que vem tem mais!


+++++++++++++++++++++++++++

Max Merege é um pesquisador musical de Cuiabá. Talvez seja o sujeito que mais ame o rock'n'roll neste Cuyabazão (mas isso pode gerar polêmica). Envie e-mail para maxmerege@gmail.com
+

04 de Janeiro de 2009
Coluna ENROLANDO O ROCK / Caderno FOLHA 3
Jornal FOLHA DO ESTADO
Cuiaba - Mato Grosso


Um comentário:

... ... disse...

e vc é o comentarista musical que eu mais amo nesse matogrossão!