segunda-feira, 25 de maio de 2009

O ROCK À SOMBRA DE HANK MARVIN



Quem dos leitores saberia dizer qual é o maior guitarrista do rock clássico britânico? Nomes certamente não faltam nessa lista: John Lennon, George Harrison, Brian Jones, Peter Townshend, Eric Clapton, Jeff Beck, Jimmy Page, Richie Blackmore, Tony Iommi, Brian May, Mark Knopfler e por aí vai...
Com certeza é bem difícil definir qual é o melhor dentre tantos monstros sagrados. Mas fato é que nehum deles se tornaria o que se tornou se não fosse um sujeitinho magrela, desengonçado e que usa um óculos imenso, chamado Hank Marvin!



Fundada em 1958 por Hank Marvin e o amigo Bruce Welch, a banda The Shadows começou sob o nome de The Drifters, um conjunto de acompanhamento para um astro de renome, o hoje Sir. Cliff Richard (uma espécie de Roberto Carlos inglês). A parceria deu certo e eles, além de serem a banda de estrada do ídolo, também passaram a andar com suas próprias pernas.
No âmbito britânico, eles são uma instituição nacional, tão forte quanto Beatles ou The Who, e o mais impressionante de tudo é que ainda figuram na listas TOP 10 de vendas na Inglaterra, mesmo em tempos de downloads.



Seu ápice entretanto aconteceu no decorrer da década de 60, quando lançaram clássicos inesquecíveis do rock instrumental como: "Apache", "Wonderful Land", "Atlantis", "FBI", "Gerônimo", "The Rise And Fall Of Flingel Bunt" etc.
Contudo, sua influência não se limitou apenas às Ilhas Britânicas, mas tomou o mundo de assalto. Anualmente, em algum canto do planeta promove-se algum tipo tipo de encontro de fãs e shows-tributo. No Brasil mesmo, músicas de Hank Marvin e seus Shadows se tornaram uma constante no repertório de 9 entre 10 bandas da jovem guarda (basta ouvir discos antigos dos Incríveis, Jet Blacks, The Jordans etc). O próprio Rei Roberto Carlos (uma espécie de Cliff Richard tupiniquim) exigia que seus músicos seguissem o estilo The Shadows de tocar. Para tal, basta ouvir os discos que o rei gravou entre 1962 e 1966, onde as referências são gritantes.



Em 1996 foi lançado o cd "Twang!", um mais do que merecido tributo a Hank Marvin & The shadows, ao qual podemos ouvir reverências e mais reverências a tão importante referência do rock universal. Bem, o que dizer então de Ritchie Blackmore tocando "Apache" ou de Tony Iommy "riffando" o clássico "Wonderful Land", ou quem sabe, Brian May arregaçando a guitarra ao som de "FBI"? Imagine então juntar em um mesmo disco esses caras mais um monte de gente da envergadura de Mark Knopfler, Neil Young & Randy Buchman, Steve Stevens, Peter Frampton, The Police e tantos outros mais. Pois bem, o disco é isso!
Para se conhecer The Shadows, não é difícil! Basta ir a qualquer loja de cedês e pegar qualquer uma dessas coletâneas que, mesmo sendo aquelas picaretagens de gravadora, ainda sim são ótimas, pois dos Shadows não existe música ruim!



-----------------

Max Merege, além de ser fã de Shadows, ama bom rock instrumental e odeia picaretagens pretenciosas.

sábado, 23 de maio de 2009

OS INFLEXOS (Moçambique, 1968)


Pessoalmente, confesso que fiquei bem impressionado com essa descoberta...
Tudo bem que nos 4 cedês PORTUGUESE NUGGETS ( série sobre a "jovem guarda lusitâna" ) aparecem uma ou outra música desses caras, mas nunca imaginei que eles fossem de tão mais longe ainda... no caso, da cidade de Lourenço Marques (atual Maputo), capital Moçambicana!

Sim, Os Inflexos foram uma banda de rock no continente africano. Aliás, o que não faltava por lá era rockeiro bom, mas isso na África do Sul, que além de contar com talentos da estirpe de Dan Hill, The Bats, The A-Cads, The Invaders etc, também exportou muita gente de peso como Manfred Mann, Johnny Kongos, Sharon Tandy (que já aportou por esta coluna) e o produtor Frank Fenter, décadas antes da estonteante Charlize Theron e do insosso Dave Mathews ganharem o mundo dos famosos.

Mas voltando ao Moçambique...
Uma curiosidade sobre as bandas de lá é que por conta dos recursos limitados dos estúdios locais e da deficiente distribuição (isso, mesmo sendo um então território portugues), os artístas se apoiavam de fato na boa estrutura dos estúdios sul-africanos que, à revelia de um stablishment racista e ultra-conservador, investiam forte no rock'n'roll, propagando sobremaneira os ecos da música negra norte-americana. Logo, o presente disco d'Os Inflexos, apesar de ter sido todo composto em Moçambique, foi gravado e teve sua distribuição feita a partir de Johanesbourgo, na África do Sul.

Ano passado, várias dessas músicas foram lançadas em uma série portuguesa chamada CAZUMBI, dedicada inteiramente à produção roqueira no continente africano durante os anos 60 e começo dos 70, mas isso aí já é assunto para um outro dia...

Os INFLEXOS eram : Carlos Nelson (voz), Helder Matias (viola), Jorge Montenegro (órgao), Chico (baixo) e Carlos Alberto (bateria). Em 1969 gravaram apenas um epê, com as faixas: "Verdes Anos" (versão lusa para "Ob-la-di-Ob-la-da" dos Beatles), "Furtivo Olhar", "Uma Velha Foi À Feira" (flertando naturalmente com a tropicália!) e "Let Me Live My Life".

Não demorou para que divergências internas se acirrassem e provocassem a cisão da trupe. Para um lado, seguiu-se o vocalista Carlos Nelson, que gravou um single sob o nome Carlos Nelson & Os Inflexos, e por outro lado, seguiram-se os demais integrantes que rebatizaram a banda de Os Impacto. Carlos Nelson rumou para uma vertente mais folk-lissérgica enquanto que Os Impacto assumiam uma faceta mais blues-garageira. Contudo, ambos os lados mantiveram-se fiéis à sonoridade do epê, provando que mesmo as diferenças mais gritantes existentes entre si não podiam separá-los do que faziam melhor: boa música, com identidade própria!

Agora, como trata-se de material raro e impossível de se encontrar pelas vias comerciais regulares, uma boa dica para adquiri-lo é baixar pelo Soulseek ( o melhor dos programas P2P ) o epê d'OS INFLEXOS e a série Portuguese Nuggets.

Por enquanto é isso meus caros. Um grande abraço e até a próxima!

+++++++++++++++++++++

Eu sou Max Merege, um incansável pesquisador de bons sons, e dedico a coluna de hoje aos amigos e mestres Labi, Dalila e João Batalha, que além de apostarem em mim, muito me ensinaram sobre Moçambique e Portugal.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

MEIO SÉCULO DE ROCK

MEIO SÉCULO DE ROCK

De colunas do max


Ser cotada pelo GUINNESS BOOK como a banda de rock mais ativa da história não é para qualquer um. Afinal, trata-se de uma trajetória de 50 ininterruptos anos na estrada, longe de tournées caça-níqueis e de revivals oportunistas, apenas fazendo o que de melhor sabe fazer: Rock'N'Roll!

Filhos de um ator coadjuvante de chanchadas e de uma ex-cantora da Rádio Nacional, os irmão Barros - Renato, Paulo Cezar e Ed Wilson - iniciaram sua carreira nos idos de 59, fazendo mímicas em um famoso programa da extinta rádio Mayrink Veiga, do Rio de Janeiro, sob o nome de "Os Bacaninhas do Rock da Piedade". Saíram-se terrivelmente mal!...

Transtornados com a situação, trancaram-se por um bom tempo em casa para aprenderem a tocar devidamente os instrumentos. E assim aprenderam!




Voltaram logo à rádio! O pessoal da produção ficou tão abismado com a persistencia dos meninos que enfim os deixou tocar por lá.

A nova banda se chamava "Renato & Seus Blue Caps", que além dos 3 irmãos, contava também com a presença de dois amigos seus: Euclides (guitarra) e Gelson (bateria), que também tocariam com a banda Luizinho & Seus Dinamites. Fizeram um grande sucesso!....

Entretanto, naqueles dias, Renato, o irmão mais velho, frequentemente era visto nos escritórios das gravadoras do Rio, já que ainda não tinham gravado nada e procuravam por um selo que os aceitasse. Contudo, foi pela Ciclone, uma pequena gravadora carioca, que conseguiram lançar dois discos de 78 rpm: um, acompanhando o conjunto vocal "Os Adolescentes" e outro, acompanhando um cantor chamado Toni Billy.

Depois das gravações "menores", surgiu a oportunidade da gravadora Copacabana, pela qual lançam entre 61 e 63, dois LPs e alguns single em 78rpm. Neste meio tempo, Ed Wilson deixa a banda para seguir carreira solo, entrando para o seu lugar um cantor que então se lançava: Erasmo Carlos, o legítimo Rei! Nessa fase, gravam um bom disco (63) com a famosa "Lobo Mau", versão para "The Wanderer" de Dion DiMucci.




Pouco tempo depois, Erasmo também deixa a banda para seguir carreira solo... mas a grande chance mesmo vem quando um amigo, o então novato Roberto Carlos os chama para lhe acompanharem em "Splish Splash". O disco foi um "estouro", a banda acabou faturando um contrato com a CBS e, de quebra, Renato & Seus Blue Caps acabaram se tornando a "banda da casa".

De 1964 a 69, os vocais ficaram por conta de Paulo Cezar e Cid. O próprio Renato cantava pouco, mas em compensação, sua guitarra ressoava firme e forte em todas as gravações da banda. Aliás, tido como um dos primeiros "guitar heroes" do rock nacional, Renato Barros também foi um dos primeiros a apostar em moduladores de efeito e a usar sabiamente os distorcedores.

Durante esse período, além das inúmeras composições próprias, a banda se notabilizou por excelentes versões para sucessos internacionais, já que em grande parte dos casos as versões de Renato superavam por aqui nas vendas, as "matrizes" em seus países de origem. Destaque especial para versões de Beatles como "Menina Linda" (I should have known better) e "Feche Os Olhos" (All my loving). Gravaram também muitos clássicos garageiros como "Vivo Só" ("For Your Love", dos Yardbirds), "Você Não Soube amar" ("It's Gonna Be Alright", dos Gants), "Não Posso Me Controlar" e "Tem que Ser Você" ("I can't control myself" e "With a girl like you" dos Troggs), entre outra tantas.

De colunas do max


De suas participações como banda de acompanhamento, cabem vários discos de Wanderlea, Jerry Adriani, Os Jovens, Rossini Pinto, Márcio Greick e um clássico dentre os clássicos, "Roberto Carlos Em Ritmo de Aventura"; isso sem falar nos inúmeros LPs gravados como "banda fantasma" só com sucessos internacionais.

Renato Barros, além de acompanhar grandes nomes da jovem guarda à frente da banda, também foi (e continua sendo) um exímio produtor, pois junto com Raul Seixas, entre 67 e 74, encabeçou muito material da dupla Leno & Lilian e de Jerry Adriani.

Apesar dos espaçados intervalos entre um disco e outro - que se tornaram mais frequentes a partir dos anos 80 - a banda mantém-se ativa e tocando por tudo quanto é canto do Brasil. Hoje, além do próprio Renato, a banda também conta com Cid (sax e vocais) e Gelson (bateria) mais um time renovável de bons músicos para o baixo e os teclados.

Dos demais integrantes, os irmãos Ed Wilson e Paulo Cezar seguem na estrada - junto com antigos integrantes dos Fevers - com o grupo The Originals, tocando velhos clássicos e resgatando tesouros do lado B.

Agora é bom salientar - como um desabafo deste colunista - que Renato & Seus Blue Caps não é "entretenimento de tiozinho", mas Patrimônio Legítimo do Rock Nacional, merecedor de todas as glórias e reverências possíveis.

De colunas do max


.............

Max Merege é um pesquisador que valoriza muito a jovem guarda e que tem cacife sufuciente para dar lição em muito entertainer fanfarrão que tem por aí à solta.

domingo, 10 de maio de 2009

BACHARACH




Se a população ocidental cresceu a olhos vistos entre as décadas de 60 e 70, muito disso se deve a Burt Bacharach... E não é nenhum exagero afirmar isso, pois muita gente foi gerada ao som de muitos de seus incendiários hits românticos como: "Raindrops Keep Fallin' On My Head" (BJ Thomas), "The Look Of Love" (Dusty springfield), "Close to You" (The Carpenters), "Walk On By" (Isaac Hayes), "What's New, Pussycat" (Tom Jones), "What the World Needs Now is Love" (Jackie DeShannon), "I Say A Little Prayer" (Aretha Franklin), "My Little Red Book" (Manfred Mann), Casino Royale (Herb Alpert & Tijuana Brass), "Baby, It's You" (The Beatles), "Any Day Now" (Elvis Presley) e "Wives and Lovers" (Frank Sinatra) e inúmeros tantos mais...
Filho de pais judeus, Burt Bacharach nasceu no sul dos EUA em 1928. Estudou música em grandes conservatórios e universidades, serviu nas forças armadas e também tocou piano em muitos e muitos bares dessa vida.
Mestre nas ambientações, assim como Phil Spector, Frank Zappa e Brian Wilson, Bacharach ganhou notoriedade como um maestro da easy listening music (música de fácil audição), mesmo com toda complexidade envolvida em suas composições. Compôs músicais para a broadway e fez inúmeras trilhas sonoras para filmes hollywoodianos, mas foi mesmo na (re)criação do pop que seu nome de fato se fixou.
Fã confesso da mpb, não poupa elogios (e também algumas críticas) a astros como Ivan Lins, Milton Nascimento e Djavan, isso sem falar na forte ligação com Sérgio Mendes, possibilitada pelo amigo comum Herb Albert.
Entre o final dos anos 50 e começo dos 60, ele foi o maestro da diva Marlene Dietrich e com ela emplacou inesquecíveis hits, principalmente versões germânicas para muitos sucessos da lingua inglesa. Aliás, de encontro ao que dizem as más línguas, Burt Bacharah nunca namorou a estrela alemã, mas sim, fora um grande amigo e discípulo seu.
Como um bom superstar, em sua vida casamentos não faltaram. Afinal, o cara se casou umas 4 vezes em 50 anos. De suas ex-esposas, figuram musas dos cinema nas décadas de 50 e 60 como Paula Stewart e Angie Dickinson.
Dentre seu maiores parceiros e interpretes, nomes como o do letrista Hal David e da cantora Dionne Warwick são presenças costantes em tudo o que lhe diz respeito, haja vista que, segundo o próprio, se suas música tem palavras, são as de Hal David; e, se têm uma voz, é a voz de Dionne Warwick. Precisa dizer mais?
Agora, por que escrever sobre Burt Bacharah? Porque ele simplesmente é um dos maiores mitos do pop ainda vivos ( 80 anos! ) que está em tour pelo Brasil. Tem aparecido em inúmeros programas de entrevistas e jornais pelo país. Várias das publicaçõe musicais também têm prestado sua reverência a esse semi-deus da cultura ocidental contemporânea, e para nós, da Folha do Estado, não poderia ser diferente.

.................

Max Merege, além de entusiasta da boa música, não nega a possibilidade de também ter sido concebido ao som de "Raindrops Keep Fallin' On My Head".



+


19 de Abril de 2009
Coluna ENROLANDO O ROCK / Caderno FOLHA 3
Jornal FOLHA DO ESTADO
Cuiaba - Mato Grosso

PSYCHOBILLY + CRAMPS

Paternidade de um estilo bastardo

Até hoje sua origem provoca discussões acaloradas, pois enquanto para alguns, surgiu nos EUA, em 1975, com a banda The Cramps; para outros, a coisa nasceu mesmo na Inglaterra, em 1980, com a banda The Meteors. Fato é que um bom psychobilly pode se resumir a um aguçado senso de humor-negro, combinado com frases musicais pra lá de manjadas de country e blues, mas com uma dose cavalar de malandragem que estilo nenhum poderia propiciar. Enfim, trata-se do estilo que melhor funde rock'n'roll e demência!
A configuração dos instrumentos é a mais básica possível: uma guitarra semi-acústica, um contrabaixo acústico do tipo rabecão e uma bateria com meia-dúzia de peças para se tocar de pé. Simples, porém incrivelmente eficaz!
Dentre suas maiores influências, podemos citar muita música demente dos anos 50 e 60 (principalmente!), filmes de terror e quadrinhos também.

Lux Interior & Poison Ivy, THE CRAMPS - banda marco zero!


Segundo os Cramps, a banda "marco zero" do estilo, suas referências musicais se apresentam em três pincipais eixos: rockabilly, surf music e 60's garage.
Quanto aos filmes, quanto mais barato e medonho, melhor! Recomenda-se muita coisa de Roger Corman, Ed Wood, Russ Meyer, H.G. Lewis, Zé do Caixão, George Romero, Tobe Hopper e o Psicose de Hitchcock também. Daí em diante as coisas evoluem para melhor como faroeste italiano, kung-fu chinês, exploitation, superman turco, batman indiano etc. Enfim, tudo em nome de uma boa diversão.




O Epicentro Europeu



"THE METEORS - Reis do psychobilly europeu"

Apesar da influência nitidamente norte-americana, o psychobilly aconteceu mesmo na Europa, a começar pelo lendário Klub Foot de Londres, que além de receber nomes locais como os Meteors, Guana Batz, Sharks, Coffin Nails, King Kurt, Restles e Frantic Flintstones, recebia também muitas bandas vindas de outros cantos da Europa, como era o caso da holandesa Batmobile ou das alemãs P.O.X. e Sunny Domestoez.

Hoje, no lugar do Klub Foot existe uma estação de trem, mas isso não significou o fim dos shows, pois de um jeito ou de outro a coisa continuou bombando pela Europa. Na Dinamarca os Nekromantix já apavoravam com sua combinação insana de psychobilly e speed metal; na Alemanha, o Mad Sin já quebrava tudo e ilhas britânicas, Demented Are Go! (Gales) e Klingonz (Irlanda) literalmente bagunçavam o coreto!



Brasil

Hulkabilly (centro) e seus KÃES VADIUS, formação 2009

Quanto ao Brasil, no ABC paulista a banda Kães Vadius abria o caminho para outros conterrâneos como o S.A.R. e os K-Billy's, e para os cariocas d'A Grande Trepada (a.k.a. Big Trep). Em '89 foi lançada a coletânea Devil Party, a primeira compilação do gênero por aqui. No mesmo período, o finado selo Stiletto lançava os discos "Sewertime Blues" dos Meteors, e "Live Over London" dos Guana Batz, que também vieram tocar no Brasil, bem como as memoráveis apresentações dos Stray Cats.

Paraná


De colunas do max


Nos anos 90, enquanto a Europa era sacudida por uma enxurrada de bandas psycho, Curitiba se tornava o principal centro do gênero no continente americano. Começou com os Missionários, seguiu com os Cervejas, Os Krápulas e Ovos Presley, e teve seu ápice com os Catalépticos, entre '97 e '06.

A cena curitibana ganhou renome internacional não só com o sucesso d'Os Catalépticos em terras européias, mas também por meio de dois grandes festivais: o Psycho Carnival, que abrange os dias do carnaval; e o Psycho Fest, que rola geralmente entre julho e setembro. Ambos contam, todos os anos, com a presença de algumas bandas gringas de renome, e tudo isso, contando com um público oriundo de todas as partes do Brasil e do mundo.




Cartaz PSYCHO CARNIVAL 2009



De lá pra cá, uma fortíssima cena desenvolveu-se em Londrina e as únicas bandas curitibanas do primeiro "boom" que sobreviveram foram Krápulas e Ovos Presley. Muitas outras grandes bandas surgiram depois, mas isso já é um assunto para a gente comentar outro dia.


Oportunidade em Cuiabá

Peter G.Vögeli, fundador dos CENOBITES (Rotterdan - NL)


Aliás, como Curitiba terá um Psycho Carnival nos dias 19 e 20, os holandeses do Cenobites, aproveitando a passagem pelo Brasil, tocarão em Cuiabá também, na sexta-feira, dia 20 de Fevereiro. De fato é uma pena que as bandas de abertura sejam muito aquém ao que sua estrada e talento de fato exigem. Enfim, para curtir um bom show de power-psychobilly, vale qualquer esforço... até mesmo aguentar um porre de bandas indigestas. Por hoje é isso. Semana que vem tem mais!

++++++++++++

Max Merege é um sujeito de Cuiabá que conhece e curte psychobilly há mais de 20 anos!

.....................................................

THE CRAMPS

Bem que esta matéria poderia ser sobre a guitarrista Poison Ivy Rorschach (que no dia 20 completa 56 anos) ou também um belo review sobre o centenário de Carmen Miranda, mas a coluna de hoje vai para um sujeito incrivelmente fora desta dimensão e que, além de ser uma influência pessoal deste colunista ao longo de duas décadas, também passou a exercer influência pungente no mundo roqueiro desde 1973. Ele se chamava Erik Lee Purhiser, mas que também era conhecido por Lux Interior, o cantor dos CRAMPS, que na quarta-feira, dia 06 de Fevereiro, morreu aos 62, de problemas cardiácos.


Lux Interior e Poison Ivy Rorschach (Kristy Marlana Wallace) se conheceram em 1972, na lissérgica Califórnia. Ele, um ex-aspirante a monge budista, fã de Elvis e curtidor de filmes-B; ela, uma menina interiorana com ares hippies, que estava aprendendo a tocar guitarra, sob influência de Link Wray, Duane Eddy e Dick Dale. Apaixonaram-se e passaram a morar juntos. Seguiram para Ohio, conheceram o guitarrista Brian Gregory e formaram a banda THE CRAMPS, que em seguida se mudaria para New York, para tocar direto no famigerado CBGB's. Lançaram uma série de singles que mais tarde sairiam reunidos nos lps "Off The Bone" e "Bad Music For Bad People" (83/84), sob a tutela de Alex Chilton.



Por 12 anos, não usaram baixo em suas músicas, apenas "paredões" formados por duas ou mais guitarras.
Apesar de serem norte-americanos, tornaram-se cult na Europa e suas tournées pelo velho continente também viraram uma constante.
Fiéis aos seus princípios, mantiveram exatamente a mesma atitude e sonoridade ao longo de 35 anos de estrada, comparável apenas aos Ramones (in memorian) e ao Motörhead.
Criaram de fato o Psychobilly (vide Enrolando O Rock, 08/02/09) e o Garage Punk. Dentro da cultura pop, foram os primeiros a transformar o trash em cult, em dimensões jamais alcançadas. Lançaram uma média de 15 discos oficiais e também puderam contar com milhares de bootlegs ao redor do mundo. Isso tudo sem falar nos vários tributos que também foram feitos em sua homenagem.


Apesar de terem colecionado clássicos atrás de clássicos (mesmo sendo estes "resgates" de tesouros obscuros do rock), os Cramps só ganharam mesmo notoriedade a partir do disco "Stay Sick" (90), o que alçou sua carreira para outro patamar, sem que precisassem deixar de ser os Cramps que sempre foram.
De sua formação original, só restara mesmo o casal, sendo que pela banda já haviam passado uns 30 músicos diferentes ao longo dos anos.
Energia, paixão e entrega! assim eram os shows dos Cramps, que mesmo nunca tendo vindo tocar no Brasil, deixaram um belo legado sonoro e visual de shows, que podem ser muito bem achados no youtube.

Para Lux Interior, que faça muita fuzzarca, onde quer que esteja! E para Poison Ivy, nossas sinceras condolências. Afinal, vai demorar muito para aparecer outro Lux na face da Terra.

Discografia Básica: Gravest Hits (1979); Songs The Lord Taught Us (1980); Psychedellic Jungle (1981); Off The Bone (1983); Smell Of Female (1983); A Date With Elvis (1986); Rockin n Reelin in Auckland New Zealand (1987); Stay Sick (1990); Look Mom No Head (1991); Flamejob (1994); Big Beat From Badsville (1997); Fiends In Dope Island (2003);

Coletâneas: Bad Music For Bad People (1984); How To Make A Monster (2004); The Secret Life Of The Cramps (2006)

++++++++++++++++++++++++++

Max Merege aprendeu realmente a apreciar um bom rock com Cramps e Ramones, também.

Publicado no caderno Folha 3, Jornal Folha do Estado, Cuiabá-MT - 08 e 15 de Fevereiro de 2009