segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

LEMMY, lived to Win



Brinde a Deus - cervejada e nao lágrimas era o que ele quereria. 





LEMMY
Lived to win
por Max Merege

Será verdade mesmo?! Pior que é, Lemmy morreu!!!! E tudo o que podemos fazer, além de rezar e o escambau, é celebrar seu legado! Churrascada, cervejada, smurfetes de biquini, e muito, muito ROCK'N'ROLL, em alto e bom som!!!!
Recém completou 70 anos e soube no dia seguinte (26 dez) que estava com um câncer agressivo. (Vale lembrar que problemas de saúde atormentavam-lhe a vida já tinha um tempo. Diabetes, marca-passo e safenas no coração, e tudo mais que servia para avisar que Lemmy não era um sujeito indestrutível. Basta lembrar que em abril mesmo, no festival Monsters Of Rock, em São Paulo, ele acabou nem indo tocar por causa de sua já fragilizada saúde.)

O comunicado oficial da página do Motörhead

"Não existe um jeito fácil para dizer isso ... nosso poderoso, nobre amigo Lemmy faleceu hoje após uma curta batalha contra um câncer extremamente agressivo. Ele ficou sabendo da doença em 26 de dezembro, e estava em casa, sentado na frente da TV, curtindo seu jogo preferido do The Rainbow, onde fora recentemente com sua família.
Não tem nem como a gente expressar nosso choque e tristeza, não existem palavras.
Diremos mais nos próximos dias, mas por ora, por favor ... toquem Motörhead alto, toquem Hawkwind alto, tocar a música de Lemmy NAS ALTURAS!
Tome uma birita ou umas.
Compartilhar histórias.
Celebre a VIDA deste adorável e maravilhoso cara, que celebrou tão vibrantemente a si mesmo.
ELE IRIA QUERER EXATAMENTE ISSO AÍ.
Ian 'Lemmy' Kilmister
1945 -2015

Nascido para perder, viveu para ganhar."

Nascido no interior da Inglaterra, em 1945, foi criado pela mãe e pela e pela avó. Teve inúmeros oddjobs até ingressar aos 20 anos nos Rocking Vickers, sua primeira banda, na qual tocou guitarra e mandou ver num iê-iê-iê bem ao estilo The Who, tendo se lançado de fato a partir da Finlândia, já que lá eles eram bem mais populares que no Reino Unido propriamente.
Pouco tempo depois, Lemmy foi tocar com Sam Gopal, um pirado malaio de vibe holística que misturava blues com música oriental, soul e hardrock primitivo. Em seguida tornou-se roadie de ninguem menos que Jimi Hendrix. Em '70 conheceu Dave Brock e Robert Calvert, ao lado de quais passou a correr a estrada como baixista e vocalista do Hawkwind, uma banda avantgarde de prog-spacerock que em muito flertava com o krautrock que se produzia então na Alemanha. Doidão que era, Viu-se obrigado a deixar a trupe. Pouquinho tempo depois, formou o Motörhead, a banda mais barulhenta do planeta, que orgulhosamente manteve por 4 décadas a fio. Teve outros projetos também, segurou as pontas como baixista do Damned, montou banda de rock bailinho com Slim Jim Phantom e Danny B. Harvey, atacou de ator em "Eat the Rich", escritor, colecionador de tranqueiras de guerra e muito mais coisas que o tornaam um sujeito incrivelmente carismático e fascinante.
No último dia 15 de novembro, Lemmy enterrou seu velho parceiro, o baterista Phil Taylor.


Nenhum comentário: